• FEMAvestibular
  • estudo-hot-site-bolsas
  • fema-guia-do-estudante-estadao-3b

 vestibular fema 2020

Inscrições Abertas

11 Cursos de Graduação

Prova dia 14/11 às 20h

INSCRICAO 

dedebancoideiaProfessor e aluna da FEMA publicam livro


O professor pós-doutor Jesualdo de Almeida Junior, em parceria com Cintia Alves Rodrigues, aluna do último ano de Direito da FEMA, acabam de publicar livro. A obra, escrita em conjunto, faz ponderações sobre os limites éticos nas manipulações genéticas e técnicas de reproudção assistida

 

Por Glauciana Nunes e Isabella Chiampi

Assessoria de Comunicação FEMA

 

A aluna Cintia Alves Rodrigues, que está cursando a 5ª série do curso de Direito na Fundação Educacional do Município de Assis (FEMA), tem livro publicado pela editora Novas Edições Acadêmicas. A obra, publicada em 14 de agosto, é fruto do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da aluna e foi escrito sob orientação do professor pós-doutor, o advogado Jesualdo de Almeida Junior, que leciona na graduação.

 

Intitulado “Engenharia Genética: Ponderações éticas e jurídicas”, o livro trata sobre a engenharia genética realizada nos embriões humanos, ponderando sobre a vida e a dignidade do ser humano. Os autores abordam sobre os limites éticos jurídicos das terapias genéticas, as manipulações e as modificações de Ácido Desoxirribonucleico (DNA), a partir de técnicas de reprodução assistida. “É um livro que envolve apreciações de Direito Constitucional, Direito Civil e, sobretudo, de bioética e Biodireito”, explicou o professor Jesualdo. É a segunda obra de Cintia que foi publicada por essa mesma editora. E professor Jesualdo tem 10 livros publicados, todos na área de Direito.

 

Biodireito é a área jurídica que se associa com a bioética. Essa ciência estuda as relações entre Direito e os avanços tecnológicos nas áreas da Medicina e Biotecnologia, principalmente quando envolvem corpo e dignidade da pessoa humana. A manipulação genética é extremamente polêmica já que envolve questões, além das éticas, morais, sociais e espirituais. Não se sabe ainda quais as consequências dessas técnicas a longo prazo e muitos discutem sobre o quão invasivo é interferir no que é considerado natural. Apesar disso, muitos cientistas e pesquisadores buscam quais podem ser os benefícios em aprender mais sobre o DNA humano, como por exemplo descobrir curas para doenças.

 

 

facebook logo

SIGA FEMA ASSIS

 

MAIS NOTÍCIAS DA FEMA

Back to top